Ir para página principal

Igreja da Boa Viagem: aqui começa a história de Belo Horizonte

       

     Sua história teve início no século XVIII. Em 1709 o português Francisco Homem del Rey conseguiu autorização da Coroa, por meio de Cartas de Sesmarias, e se estabeleceu na região onde hoje se encontra Belo Horizonte. Ele trouxe uma imagem da padroeira dos navegantes portugueses, Nossa Senhora da Boa Viagem, que o acompanhou na travessia do Oceano Atlântico. Para proteger e homenagear a santa Francisco ergueu em suas terras uma pequena capela de pau-a-pique para abrigá-la. Erguida na rota dos tropeiros que passavam pela região transportando as riquezas do interior do país, a igrejinha recebeu o nome de Nossa Senhora da Boa Viagem e passou a ser conhecida, também, como a padroeira dos viajantes.
        Com o passar dos anos e a enorme devoção dos fiéis a capelinha ficou pequena para receber tanta gente e em seu lugar foi erguida uma igreja maior. Entretanto com a construção da nova capital houve a necessidade de ser erguer uma nova igreja - a atual Catedral Nossa Senhora da Boa Viagem - a qual foi inaugurada em 1923, data em que a cidade de Belo Horizonte foi oficializada como arcebispado.
     Ela abriga um conjunto arquitetônico, em estilo neogótico, que, de tão belo, dá graça ao ambiente paisagístico e arquitetônico de Belo Horizonte.  Ela tem um valor histórico, artístico e cultural que a torna um espaço de visitação e atração turística.  O conjunto da Igreja Nossa Senhora da Boa Viagem é composto pela nave, a capela São Pedro Julião Eymard, a casa paroquial e o alojamento da adoração noturna.
      A Igreja de Nossa Senhora da Boa Viagem é considerada como o coração de Belo Horizonte. Um lugar especial de fé, devoção e de adoração por ser, também, o Santuário Arquidiocesano de Adoração Perpétua, aberto 24 horas por dia e que recebe a visita de romeiros das diversas regiões da cidade, da Região Metropolitana de Belo Horizonte e de turistas.